- Candidiase Tem Cura - http://www.candidiasetemcura.com.br -

A candidíase é uma doença sexualmente transmissível (DST)?

Há muita controvérsia sobre esse assunto e a ciência ainda não chegou a uma conclusão certeira sobre a transmissão sexual da candidíase. Um fato é certo: é possível desenvolver a candidíase sem qualquer contato sexual, já que a cândida é um fungo que habita normalmente o corpo de todos os mamíferos. Crianças, adolescentes virgens e até mesmo bebês podem ter candidíase em diversas partes do corpo, inclusive na região genital, tanto meninos quanto meninas.

Existe a possiblidade, porém, de que ao entrar em contato com uma quantidade significativamente grande de cândida, como ao ter contato sexual com uma pessoa que esteja passando por uma crise de candidíase, o excesso de cândida “emprestado” possa causar sintomas na outra pessoa. O excesso de cândida é que é o responsável pelos sintomas como coceira, vermelhidão, inchaço e ardência. Isso depende, porém, de certas condições pré-existentes do corpo da pessoa como uma imunidade comprometida e nível baixo de população natural de culturas vivas, que geralmente se encarregam, no corpo de uma pessoa saudável, de controlar a população de cândida.

Isso quer dizer que nem todo mundo, ao ter contato sexual com uma pessoa com candidíase, pode pegar a doença. A transmissão sexual é na realidade a exceção e não a regra. Na maioria das pessoas que desenvolvem a candidíase com muita frequência o problema não e de origem sexual e sim, imunológica, hormonal ou alimentar.

É importante saber também que não é recomendado manter relações sexuais durante o período em que os sintomas da candidíase estão ativos (e até mesmo após os sintomas passarem por um período de 2 a 3 semanas). O problema em manter relações durante esse período não é tanto a transmissão sexual, mas a recuperação da pessoa afetada pela doença. A fricção causada pelo movimento durante a relação causa stress na pele, que já está sensível devido à doença. Isso dificulta e retarda a recuperação. Isso vale tanto para homens quanto para mulheres, em relações com ou sem camisinha.