- Candidiase Tem Cura - http://www.candidiasetemcura.com.br -

Candidíase masculina ou peniana (balanopostite)

A candidíase no homem é comum, apesar de alguns não apresentarem sintomas claros ou não apresentarem todos os sintomas simultaneamente. Contudo, o caso em que o homem tem candidíase, mas não apresenta sintoma algum parece ser mais um mito do que realidade.

Quando o crescimento do fungo é exageradamente grande, o homem apresenta sintomas similares ao da candidíase vulvovaginal.

É imprescindível manter em mente que a candidíase normalmente não é uma doença “que se pega”, mas sim uma condição que o próprio corpo desenvolve quando há um crescimento excessivo da população de um fungo que vive normalmente no corpo de todo mundo. Homens e mulheres, de qualquer idade, podem ter candidíase em diversas partes do corpo (genitais, boca, esôfago, pele em geral, bexiga, intestinos, unha, couro cabeludo, entre outras áreas menos comuns). A candidíase genital é causada pelo mesmo fungo que causa micose de unha e sapinho na boca, por exemplo. É possível “pegar” candidíase de outra pessoa, principalmente através de relação sexual se a outra pessoa estiver passando por uma crise de candidíase. Nesse caso, a contaminação ocorre devido ao contato com uma quantidade muito grande de cândida. O processo é similar à criança que pega sapinho (candidíase oral) ao pegar coisas do chão ou sujas e colocar na boca. Se os objetos tiverem uma quantidade significativa de cândida, ela se desenvolve na boca, onde também já há naturalmente uma população natural, porém controlada, deste fungo. A transmissão sexual, entretanto, não é normal e a maioria das pessoas que tem monilíase, principalmente balanopostite, que é um caso mais avançado da doença, possuem outros fatores que causam tendência para proliferação de fungos no corpo.

A candidíase pode aparecer com mais facilidade em pessoas que possuem o sistema imunológico debilitado, seja por doença imunodepressora como AIDS, lúpus e artrite reumatóide, quanto por estados de ansiedade e stress. A proliferação de fungos também pode ser estimulada por má alimentação, principalmente se for rica em açucar, o que inclui massas como macarrão, pizza e lasagna e também álcool, que ao ser metabolizado se transforma em açúcar, além de afetar a imunidade. Outro fator ainda que pode causar casos mais graves de candidíase intestinal, é a redução das populações de probióticos, as bactérias benéficas que atuam em várias atividades no corpo humano, como digestão e auxílio do sistema imunológico. Essa queda na população de bactérias pode ser causa por uso de antibióticos (mesmo que por curto período), uso de medicamentos agressivos como Roacutan (mesmo que tenha sido há muitos anos), uso de outros tipos de medicamentos e uso contínuo, além de álcool, drogas, inclusive maconha, que também prejudica o sistema imunológico, e má alimentação, mesmo quando não tem grande quantidade de açúcar.


Abaixo estão alguns dos mais comuns sintomas da candidíase peniana:

– Dor durante a relação sexual;

– Sensação de queimação ao urinar;

– Assaduras na cabeça do pênis;

– Leve inchaço;

– Cortes na pele do pênis;

– Manchas ou placas brancas no pênis;

– Coceira no pênis e/ou região escrotal e virilha;

– Eventual corrimento semelhante ao sêmem.

Veja abaixo uma lista de fatores que podem sozinhos ou combinados causar a candidíase masculina:

– Diabetes ou tendência a diabetes – o nível de açúcar no sangue é o fator principal que causa a candidíase em homens. Se você não tem diabetes, veja se tem casos na família e teste o nível de açúcar no sangue;

– Uso de drogas – maconha ou outras drogas imunodepressoras;

– Alimentação pouco saudável com alto nível de açúcar (o que inclui também massas brancas);

– Consumo de álcool, principalmente de cerveja – a cerveja contém malte de cevada, ingrediente que estimula o crescimento de fungos, por isso usado na cerveja para estimular a fermentação. A cândida é um fungo e se beneficia muito do consumo de malte de cevada, além do próprio álcool que contém açúcar;

– Alergias – muitas pessoas possuem alergias das quais desconhecem, por isso não rejeite a possibilidade de que sua candidíase não possa ser alérgica porque você “pensa” que não tem alergia alguma!

– Intolerâncias alimentares – Diferentemente das alergias, as intolerâncias alimentares não podem ser diagnosticadas em exames e podem só acionar sintomas se um determinado alimento for consumido em excesso ou com frequência. Em casos mais graves, o consumo do alimento agressor causa sintomas imediatos, como é o caso de intolerância à lactose e glúten, que pode ainda não estar no estágio de doença celíaca.

– Nível alto de estrogênio – Estrogênio é um hormônio que homens têm em menor quantidade, no entanto, devido a fatores como obesidade e uso de certos medicamentos, homens podem produzir mais estrogênio, o que aumenta o nível de açúcar no sangue predipondo a candidíase.

– Doenças imunodepressoras – AIDS e lúpus geralmente comprometem o sistema imunológico de uma forma muito intensa prejudicando a capacidade do organismo de combater microorganismos oportunistas como a cândida.

– Uso de medicação de uso continuado – Medicamentos diversos tem o poder de afetar a imunidade, de antidepressivos até remédios para tratamento de outras condições.

– Uso de medicação com corticóides e antibióticos – esses medicamentos comprometem a capacidade do corpo de combater microorganismos, além de, no caso de antibióticos, aniquiliarem com a população de bactérias que ajudam o organismos a manter o equilíbrio como os lactobacilos vivos.

– Histórico passado de uso de medicação com alto impacto na imunidade – Uso de Roacutan por exemplo, mesmo que há muitos anos, compromete de tal forma as defesas do corpo que doenças como a candidíase se tornam mais fáceis de aparecerem depois de uma certa idade em que o corpo começa a enfraquecer naturalmente.

– Doenças ocasionais recentes – Uma gripe forte, um caso de anemia ou mesmo uma cirurgia podem ter afetado momentaneamente a imunidade e permitido a proliferação da cândida.

 

A candidíase não é considerada uma doença sexualmente transmissível e este fato não é comum. Para que a transmissão ocorra, geralmente o ato deve ocorrer no período em que a mulher está tendo uma crise e o homem precisa estar com a imunidade muito baixa.

 

É preciso diferenciar também se no seu caso a candidíase é esporádica, ou seja, se ela apenas apareceu uma única vez ou se ocorre de tempos em tempos e vai embora ou se sua condição é mais duradoura ou recorrente. A candidíase esporádica pode ser causada por fatores passageiros como uma gripe forte ou uso de antibióticos. Esses casos pode ser tranquilamente tratados com medicação farmacêutica como Fluconazol e pomadas.

Em casos mais duradouros, no entanto, é preciso encontrar a causa real do problema, que geralmente é uma das causas apontadas acima, e trabalhar no problema solucionando-o ou neutralizando-o no caso de condições que não possam ser facilmente solucionadas como diabetes ou AIDS. Tratar a candidíase isoladamente sem consideração para com as causas é inútil pois o problema de origem continuará a dar vazão para futuros episódios de candidíase.

Ao ser diagnosticado com candidíase peniana, o homem deve abster-se do sexo até que a crise tenha passado.